terça-feira, 16 de agosto de 2011

FUNDAÇÃO DE OBRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL


FUNDAÇÃO DE OBRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL




DO MESTRE DE OBRAS JÂNIO SANTOS DE OLIVEIRA


TELEFONES: 26750178  CELULAR: 81504398















A fundação ou alicerce serve para apoiar a casa no terreno. A fundação
depende do tipo de solo do seu terreno. Uma sondagem permite saber
qual é a fundação mais indicada. Existem firmas especializadas em
sondagens de solos. Mas a melhor dica é consultar os vizinhos para
saber como foram feitas as fundações das casas próximas.



articles: Fundacao-1.jpg
Baldrame (sapata corrida)

Se você encontrar solo firme até
uma profundidade de 60 cm, você
pode abrir uma vala e fazer o
baldrame diretamente sobre o fundo
dela. Você pode fazer baldrame de
blocos ou de concreto.



articles: Fundacao-2.jpg
Baldrame de
blocos de concreto


DICA

Não deixe de fazer a
impermeabilização para
evitar que a umidade “suba”
pelas paredes de sua casa.                























Broca (estaca)

Se você não encontrar terreno firme
até 60 cm de profundidade, vai ser
necessário apoiar o baldrame sobre
brocas.


articles: Fundacao-10.jpg
















Radier

Outra solução é construir uma laje
de concreto sobre o solo, conhecida
como radier. Além de apoiar sua
casa, o radier já funciona como
contrapiso e calçada. Mas o radier
só pode ser usado se o terreno todo
tiver o mesmo tipo de solo. Se uma
parte for firme e a outra fraca, o radier
não pode ser utilizado.
articles: Fundacao-4.jpg















articles: Fundacao-5.jpg
DICA

Não esqueça de instalar os tubos
de esgoto e os ralos
antes de concretar o radier.












Concreto para fundação

articles: Fundacao-11.jpg




















Concreto para fundação
Aplicação
Traço
Rendimento por saco
de cimento de 50 kg
Dica
Base de 
concreto
 
magro
1 saco de cimento de 50 kg  
8 ½ latas de areia
11½ latas de pedra
2 latas de água
14 latas ou 0,25 m3
O solo deve ser nivelado e 
socado antes do lançamento
 
do concreto magro
Concreto do
baldrame
(sapata corrida),
broca (estaca) e
do radier
1 saco de cimento de 50 kg
5 latas de areia
6 ½ latas de pedra
1 ½ lata de água
9 latas ou 0,16 m3
Procure fazer a concretagem de
uma vez só para evitar emendas
 
de da concretagem na fundação.
O concreto deve ser bem
 
adensado (vibrado)

ATENÇÃO: 1. Para as medidas, use latas de 18 litros. Evite latas amassadas.
2. Mantenha o concreto molhado durante uma semana após a concretagem.
Depois do terceiro dia já é possível executar outros serviços sobre esse concreto.



Nivelamento


Qualquer um dos tipos de fundação deve ficar nivelado. Caso necessário,
faça uma camada de argamassa para nivelamento (regularização) sobre
a fundação pronta. Para evitar que a umidade do solo suba pelas paredes,
aplique uma camada de argamassa com impermeabilizante sobre a
fundação ou sobre a camada de nivelamento. Esta argamassa deve ser
desempenada sem alisar. Quando ela estiver seca, aplique uma pintura
impermeabilizante.



Argamassa para fundação
Aplicação
Traço
Rendimento
por saco de
cimento de 50 kg
Dica
Camada de
nivelamento
(regularização)
1 lata de cimento
3 latas de areia
Variável
A argamassa não deve
ser muito mole
Assentamento dos
blocos de concreto
do baldrame
(sapata corrida)
1 lata de cimento
½ lata de cal
6 latas de areia
30 m2
O bloco-canaleta é o
mais indicado para esse
tipo de fundação
Argamassa com
impermeabilizante
1 lata de cimento
3 latas de areia
1 kg de
impermeabilizante
10 m lineares
de fundação
Siga as instruções que
vêm na lata do imper-
meabilizante. Use a
mesma argamassa para
assentar as duas primeiras
fiadas da parede

ATENÇÃO: A lata de medida deve ter 18 litros. Evite latas amassadas.

Fonte: abcp 

COMO PREPARAR UM BOM CONCRETO























Use pedra e areia limpas (sem argila ou barro), 
sem materiais orgânicos (como raízes, folhas,
gravetos etc.) e sem grãos que esfarelam quando
apertados entre os dedos. A água também deve ser
limpa (boa para beber).

Ferramentas
enxada

carrinho de mão
betoneira
lata de 18 litros
colher de pedreiro











É muito importante que a quantidade de água da mistura esteja correta.
Tanto o excesso como a falta são prejudiciais ao concreto. Excesso de
água diminui a resistência do concreto. Falta de água deixa o concreto
cheio de buracos.
articles: Fundacao-13.jpg
Concreto misturado a mão
articles: Fundacao-14.jpg























Concreto misturado em betoneira
articles: Fundacao-15.jpg

DICA
A betoneira
deve ser
limpa antes
de ser usada
(livre de pó,
água suja,
restos da
última
utilização).
Os materiais
devem ser
colocados
com a
betoneira
girando e no
menor
espaço de
tempo
possível.

























Concreto pronto

O concreto também pode ser compradoarticles: Fundacao-16.jpg
pronto, misturado no traço desejado e
entregue no local da obra por 
caminhõesbetoneira.

Esse tipo de fornecimento
só é viável para quantidades
acima de 3 m3 e para obras 
não muito distantes das usinas ou
concreteiras, por questão
de custo.







Otimizando o uso de brita no concreto: o Teste da Lata

articles: Jardins-35.jpg




A qualidade do concreto feito na obra depende de uma série de fatores, conforme já vimos em outros artigos aqui mesmo neste site. Um dos principais fatores é a correta dosagem dos componentes, em especial dos componentes sólidos e da água. Em laboratório é fácil determinar com precisão a quantidade de cada tipo de brita, mas na prática da obra também é fácil chegar com relativa precisão à melhor proporção entre brita 1 e 2.
Quando se usa concreto feito em obra, é interessante verificar se estamos dosando corretamente a brita (agregados graúdos). Nem sempre a proporção fornecida nos cálculos ou nas tabelas de traço de concreto deve ser seguida à risca, em função da variação de tamanho que se encontra na brita entre nas obras. A idéia é aumentar a resistência do concreto ao mesmo tempo em que diminuimos seu custo. Note que mesmo quando se tem numa obra britas classificadas pelo vendedor como sendo de nº 1 e nº 2, não podemos confiar cegamente nesta informação. 

Para nos certificarmos da classificação e também para otimizar o uso da brita podemos usar um método simples para saber como misturá-las de forma a obter uma mistura que resultará num concreto mais denso (com menos índice de vazios), menos poroso e mais resistente. Este método é chamado, popularmente, de
 “Teste das Latas”. 
articles: Jardins-35.jpg 
É muito simples e barato -- consiste em usar várias latas iguais, que serão preenchidas com diferentes dosagens de pedras número 1 e 2, cada uma delas em uma lata diferente. Feita esta preparação, adiciona-se água a cada lata. A lata que transbordar com menos adição de água será a que contém a mistura com menor índice de vazios. Assim, por exemplo, em vez de se seguir uma fórmula de dosagem estabelece uma caixa de brita 1 e duas caixas de brita 2, alteramos essas proporções de acordo com a mistura que resultou mais densa (menor índice de vazios).

Fonte: Fórum da Construção 


articles: Jardins-35.jpg
Melhorando a qualidade do concreto feito em obra 

Quando se fala de concreto têm-se duas situações: a que sai dos laboratórios e aquela encontrada na dura realidade da maioria das obras no Brasil. São dois opostos, o desejo e a realidade, nem sempre se consegue reproduzir na obra as condições previstas no cálculo, mas alguns procedimentos simples podem melhorar consideravelmente a qualidade do concreto feito em obra, permitindo utilizar menos cimento e mantendo a resistência da estrutura.

Na preparação do concreto em obra, o ideal seria que se levasse em conta os principais fatores do cálculo, ou seja:
 
• A classe do cimento
 
• A granulometria da areia
 
• Os tipos de britas a usar (1, 2 e outras)
 
• A umidade da areia para dosar a quantidade de água e não interferir na relação água/cimento
 

Entretanto, na realidade da pequenas construções é irreal querer pensar nestes fatores. Como assim? Bem, vamos lá:
 
• A areia é a que temos disponível no depósito.
 
• A brita nem sempre é classificada.
 
• É trabalhoso medir a umidade da areia.
 
• Muitas vezes o concreto é mexido no chão, no braço, sem betoneira.
 
Com tantas condições adversas, como fazer então para conseguir um bom concreto? Que resistência podemos esperar? Seria melhor colocar uma maior quantidade de cimento para compensar a má qualidade do preparo? Veja algumas regras práticas para esse concreto bem brasileiro, sem apoio tecnológico mas, infelizmente, um concreto bem
 real. 

Fazendo concreto na obra

Com um pouco de dedicação e capricho é possível melhorar consideravelmente a qualidade do concreto confeccionado in-loco e, de quebra, economizar no cimento. Vamos começar pela fórmula básica, usando um traço que atende à maior parte das estruturas comuns nas pequenas obras Brasileiras, a famosa “1-2-3” e que podemos reduzir à “equação”:
 
C A P : 1 2 3 

Isso quer dizer: 
• C = 1 representa a quantidade de cimento, cerca de 35 litros que é o volume aparente do saco padrão de 50 kg 
• A = 2 representando 2 volumes de areia. Como estamos considerando que o volume de cimento é de 35 litros, vamos usar 70 litros de areia 
• P = 3 significa 3 volumes de brita, ou seja 3 x 35 = 105 litros. 



Medindo e misturando

Antes de mais nada, um lembrete: a norma ABNT especifica que o volume de concreto a ser amassado por vez não deverá exceder o que se consegue com 100 kg de címento (2 sacos de 50 kg). Portanto evite fazer aquelas masseiras enormes que, no final das contas, não economiza tanto tempo assim mas pode comprometer bastante a homogeneidade e resistência do concreto. 

Para facilitar a dosagem de areia e pedra construa uma caixa padrão para facilitar a dosagem 1, 2, 3. A caixa pode ser feita em obra mesmo, com compensado de 10 mm ou até mesmo com pedaços de tábua. A idéia é conseguir uma referência para a dosagem volumétrica cujo volume será 20 x 50 x 35 = 35.000 Cm3, ou seja, o correspondente à: 35 litros, que deverá conter, portanto, 1 saco de cimento. A figura abaixo ilustra as medidas e aparência geral da caixa padrão: 




articles: Reforma-4.jpg 

Agora a dosagem da parte sólida do concreto fica fácil: para cada medida de cimento, acrescentar 2 caixas padrão de areia e mais 3 de brita. Chegamos então a uma parte muito importante – a quantidade de água. Para areia seca acrescentar 27 litros. Para areia pouco úmida (a mais comum) diminuir para 24 litros de água. Para areia molhada, diminuir ainda mais – apenas 20 litros. Se a água usada for de rede pública provavelmente não haverá problemas quanto a sua qualidade. Entretanto, quando for necessário usar água vinda de poços (normais ou artesianos) na própria obra recomenda-se fazer sua análise caso apresente aspecto turvo ou com sedimentação. 

Preparação

Agora que temos os volumes corretos é preciso atenção à forma e seqüência da colocação dos materiais para a mistura manual. Sobre uma superfície rígida e impermeável (piso de tábua ou cimentado) coloca-se a areia formando uma camada de cerca de 15 cm. Adicione o cimento e misture bem, recomenda-se pá de formato quadrado. Após uma boa mistura (cor homogênea de toda a massa misturada) junta-se a brita (pedra) e mistura-se novamente. Faz-se um buraco no meio da massa e vamos adicionando lenta e cuidadosamente mente a água, não deixando escapar nada. Mistura-se bem até obter uma massa homogênea, usando pá ou enxada. 

É isto, o “concreto estilo Brasil” estará pronto! 

Mas qual é a resistência esperada desse concreto? Na média, podemos trabalhar com com uma resistência fck entre 120 a 150 kg/cm2, um dos fck's mais comuns nas obras brasileiras.


Fonte: Fórum da Construção
Areia para construção civil: como comprar e como usar               
                 

Na tecnologia do concreto, a areia é chamada de “agregado miúdo”, em contraposição ao “agregado graúdo” constituído pela pedra britada. A areia nada mais é do que a parte miúda resultado da desagregação de rochas. Esta desagregação pode ser causada por processos naturais ou pelo homem, através de processos mecanizados para a britagem de rochas. Nem todo resíduo miúdo vindo de rochas é chamado de “areia”. Recebe este nome apenas o produto de desagregação das rochas que passa pela peneira com abertura de malha com no máximo 4,8 mm.

Na natureza, a areia pode ser encontrada portos de areia dos rios -- que são as melhores -- ou em minas, quando passa a ser chamada de “areia de cava” ou “de barranco”. Estas são as mais baratas, mas podem conter impurezas necessitando de lavagem para que possam mser usadas em obras de maior responsabilidade.

Quanto ao tipo, as areias são divididas em grossa, média e fina:
• Areia grossa - grãos com diâmetro entre 2 a 4 mm
• Areia média - grãos com diâmetro entre 0;42 a 2 mm
• Areia fina - grãos com diâmetros entr 0,05 a 0,42 mm

Algumas informações sobre as areias

A areia é um elemento fundamental em qualquer construção. É usada em várias partes, desde as fundações até as coberturas passando pela estrutura, vedações e acabamentos. Para cada finalidade deve ser escolhido um tipo, variando a granulometria e a pureza do material. Veja algumas dicas para escolher e comprar:

1 • O concreto pode usar areia grossa, média ou fina. Entretanto, areias finas podem conter um teor excessivo de material intruso pulverizado (outros compostos) o que pode causar sérios danos à qualidade do concreto.

2 • Em princípio, não se lava a areia de rio pois considera-se que ela já está lavada. Já a areia de cava (ou de barranco) pode exigir lavagem por conter impurezas. Como saber se é preciso ou não lavar a areia? Se a areia suja a mão necessita de lavagem. Da mesma forma, se lavarmos uma amostra e a água utilizada for muito turva, então devemos lavar todo o lote.

3 • A cor das areias pode ser branca, avermelhada ou amarelada. O fato, em si, não é importante e diz respeito apenas ao tipo da rocha mãe. É preciso apenas observar se a cor não está vindo de impurezas como, por exemplo, excesso de solo (terra) que veio misturado à areia por esta ser de procedência duvidosa.

4 • Areia escura pode indicar presença de produtos estranhos. Tente lavar e, caso não resolva o problema, faça o teste da decantação (acompanhe pela figura acima) -– misture um pouco de areia a uma boa quantidade de água e deixe em repouso. Depois de completada a decantação, a areia ficará no fundo e os materiais estranhos logo acima dela. Areia contendo impurezas deve ser utilizada apenas em funções de baixa responsabilidade (lastros, enchimentos) e, se possível, devem ser recusadas na obra.

5 • Para fazer argamassas finas peneira-se a areia média ou fina, retirando-se assim os grãos maiores. O peneiramento pode ser manual ou com máquinas. Para argamassa de assentamento de tijolos usa-se areia grossa ou média. Para chapisco usa-se areia fina ou média.

6 • A preparação do concreto requer um cuidado especial quanto à umidade da areia. Isto porque o fator água-cimento é de suma importância na determinação da resistência do concreto. Como a areia pode conter grãos muito pequenos, ela tem muita superfície (somatória da área dos grãos) pois quanto mais se divide uma pedra, cresce ao quadrado a área de contato com a água. A umidade envolvendo a superfície dos grãos de areia pode carregar água para o concreto.
7 • A umidade da brita (pedras maiores) é desprezível pois a área da brita é pequena e não consegue carregar muita água, enquanto que a areia úmida pode carregar muita água. Na preparação do concreto será adicionada mais água, o importante é levar em conta o quanto de água a areia trouxe, para sabermos quanto se adicionará a mais de água. 

8 • No concreto, a areia e a pedra são chamados de “material inerte”. Isto porque é material que será colado, juntado, para formar artificialmente algo como a “pedra mãe” de onde se originaram. Isto porque o concreto nada mais é do que pedra + areia colados. 

9 • Aqui no Brasil, devido a alguns “fatores culturais”, a areia é um material que pode até ser considerado como “comunitário”. Isto porque se ela for deixada armazenada na calçada ou em local aberto aos passantes, durante a noite seu volume “diminuirá”. Costuma-se dizer que um dos das obras são as pequenas obras da vizinhança... abra os olhos! 

Como se compra areia?

A areia é comprada em volume, medido em Metros Cúbicos em pequenas obras, ou em número de caminhões de entrega para obras maiores. A compra em caminhão traz um problema -- como saberemos se a areia veio compacta (o caminhão pesando bem) ou se ela esta solta,representando o caminhão cheio e dando uma falsa impressão? 

A questão é que no porto de areia o caminhão é enchido e, durante o transporte, devido ao movimento e trepidação, a areia se adensa e perde água diminuindo o volume fisico. Esta situação costuma ser disfarçada pelo entregador que, para impressionar o freguês, pouco antes da entrega revolve a areia com a pá “aumentando” o seu volume. Assim, quando o caminhão chega na obra com 90% do seu volume ocupado devemos creditar essa diferença à compactação ou será que o caminhão realmente foi carregado com apenas parte de sua capacidade? 

Nesta situação, como chegar a um acordo entre compradores e vendedores? Pode-se exigir que a medida do volume de areia seja feita na obra. Chegando o caminhão na obra, o volume da areia é medido e paga-se apenas o volume medido. Nestes casos, a firma vendedora da areia costuma cobrar algo como 10% a mais no preço unitário normal, para atender à condição de “pagamento pelo volume posto obra”. 

Como medir um caminhão de areia?

Quando se compra a areia com a condição de pagar somente o que for efetivamente entregue, é preciso fazer a medição do caminhão em obra. A medição é feita enfiando-se um ferro de construção no monte de areia, antes dela ser descarregada. Deve-se também medir as dimensões internas da caçamba (comprimento e largura). 

As medidas com o ferro de construção devem ser feitas em cinco pontos estratégicos, a saber -- no centro do monte (parte mais alta) e em cada um dos cantos (vide figura abaixo). 

articles: Reforma-4.jpg

O volume será a média das alturas, multiplicado pela largura e pelo comprimento da caçamba. Como demonstrado abaixo: 

articles: Jardins-35.jpg
Fonte: Fórum da Construção


ESCOLHA O CIMENTO CERTO


O cimento é um pó fino que, em contato com a água, é capaz de unir
firmemente, como uma cola, diversos tipos de materiais de construção.
Depois de endurecido, ele não se decompõe mais, mesmo em contato
com a água. Por isso, as construções feitas com materiais à base de
cimento são resistentes e duráveis.

As principais matérias-primas do cimento são calcário, argila e gesso. A
sua fabricação exige enormes instalações industriais, como um possante
forno giratório que atinge temperaturas de 1.500 0C.



articles: Fundacao-15.jpg
Atualmente, o cimento é vendido
em sacos de 50 kg, 40 kg e
25 kg, que podem ser armazenados
por cerca de 3 meses,
desde que o local esteja fechado,
coberto e seco. Para evitar umidade
e empedramento, os sacos
devem ser estocados sobre estrados
de madeira, em pilhas de
10 sacos, no máximo.




Veja os tipos de cimento mais comuns

Sigla
(estampada na embalagem)
Nome
CP II
cimento portland composto
CP III
cimento portland de alto forno
CP IV
cimento portland pozolânico
CP V ARI
cimento portland de alta resistência inicial
Cimento branco
cimento portland branco











Existem diversos tipos de cimento no mercado. A diferença entre eles
está na composição, mas todos atendem às exigências das NORMAS
TÉCNICAS BRASILEIRAS.

Fonte: 
abcp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário